quinta-feira, 20 de maio de 2010

Obra de Jackson Lago em São Luís que ninguém conhecia, a recuperação do Memorial Bandeira Tribuzzi na Ponta d'areia

QUINTA-FEIRA, 20 DE MAIO DE 2010

PROJETO DE PROTEÇÃO DA PRAIA DA PONTA D` AREIA

Revitalização do Memorial Bandeira Tribuzi
Melhorar a vida das pessoas é tarefa do Estado, garantir a segurança e o direito a liberdade também é tarefa do governo, assim como gerar empregos, educação e saúde, através de planos e estratégias focados no desenvolvimento do Estado. Também é tarefa dos governantes cuidar das cidades, dos municípios, zelar pela conservação dos seus monumentos assim como garantir a sociedade o direito de possuir espaços urbanos de lazer e ver sua história preservada.
O Governo Jackson Lago seguindo sua linha de atuação pautada na participação popular, atendendo a uma solicitação da população por melhorias nos pontos turísticos de São Luís, como o memorial Bandeira Tribuzi localizado na Ponta d`Areia, que guarda a memória de um maranhense apaixonado pela sua terra natal, compositor do Hino de São Luís.
Conhecido pelos ludivicenses e visitado por turistas por sua beleza natural, e principalmente pelo belo por do sol. O local estava com o solo destruído pela erosão, ameaçando inclusive, a estrutura de vários prédios vizinhos, situação agravada pela falta de manutenção e pelo descaso de órgãos públicos.
Identificação
Em outubro de 2007, o Governo do Estado tomou ciência dos problemas erosivos que ocorriam no local, a partir de então se iniciou um projeto no sentido de estancar o processo erosivo ali estabelecido. Em função deste reconhecimento foi necessário realizar um levantamento topográfico e parâmetros físicos locais, para identificar o que causava a erosão e assim solucionar o problema.
O olhar clinico
Conforme relátorio da Secretaria de Obra e Infraestrutura do Governo Jackson Lago, para chegar a um projeto que resolvesse a erosão, foi preciso uma análise do tipo de solo do mar, das marés, das ondas e do piso da praia. Os técnicos que analisaram o problema identificaram que dentro da baía de São Marcos, as praias são arenosas com o solo (areia) fina e bem compactada, sendo vulnerável aos sistemas de arrastes de sedimentos constantes na área. Por força das correntes marinhas atuantes na área costeira de São Luis, se observa o transporte de sedimentos provocando seu rebaixamento. A seqüência deste rebaixamento se faz sentir na área superior de praia, a onde o processo se instalou há algum tempo e houve uma progressão que determinou o recuo da parte superior da praia, com a destruição de pistas de trânsito da avenida ali localizada. Em relação às marés, temos valores de amplitudes bem altos em função da localização geográfica da área próxima à linha do equador. Já a nível das ondas foi preciso uma medição do tamanho de algumas para que tivesse o conhecimento do regime. Foi identificado que elas progrediam em direção ao ponto de erosão a 35 m por hora, alcançando em primeiro lugar a região em frente ao monumento Bandeira Tribuzi. Para reconhecimento do piso praial foi efetivado um levantamento topográfico na área de costa em processo de erosão, que identificou o rebaixamento do piso da praia e viu-se a necessidade de repor o volume de sedimentos retirado. Outra conclusão chegada foi que se continuasse o processo erosivo na ponta da Areia, fatalmente teríamos o avanço da linha de praia em direção ao continente, destruindo não só o Memorial Bandeira Tribuzi, que já estava em processo de solapamento(ceder) , como também a destruição da avenida. Segundo Paulo Cesar (Pernambuco) ex-secretário adjunto da Secretaria de Obra e Infraestrutura no Governo Jackson. “O contínuo avanço do processo erosivo, ultrapassando a avenida e o memorial em evidência, causaria estragos nas edificações existentes no pós-praia”. Ou seja, as constantes ondas batendo na avenida, a beira da praia curta e as marés altas aos poucos foram destruindo o local, para resolver questão era necessário a construção de um espigão para evitar a erosão

A Solução
Depois de ser feito os estudos, percebeu-se a necessidade urgente de tomar uma média para evitar problemas futuros, não só para os motoristas, pedestres e turistas do local, mas também para os moradores da região. A solução para a situação apresentada foi à colocação de uma proteção rochosa ao longo do trecho danificado e a reposição de um volume de sedimentos a fim de refazer a área de praia alta danificada. “Considerando as condições de maré do local, as ondas incidentes e o piso da praia alta e da avenida ali assentada, a cota da proteção deverá estar na faixa da cota de oito metros”, explica Paulo Cesar. Outro ponto levantado foi que “Pelo conhecimento das ondas incidentes, em relação à dimensão das pedras, estas deverão estar compatíveis com o poder de arraste das mesmas e das correntes atuantes ao longo do segmento de praia”. Depois de todo esse trabalho, árduo, minucioso e devidamente revisado, a Ponta D'Areia hoje se encontra toda renovada, sem riscos e com o memorial Bandeira Tribuzi recuperado.

POSTADO POR GOVERNO INTERROMPIDO
ANTES E DEPOIS DA PONTA D'AREIA

http://4.bp.blogspot.com/_z_4JQsMfosI/S_WXfxWd9YI/AAAAAAAAAPk/50dNRekprfw/s320/DSC01352.JPG

PARA VER AS FOTOS VÁ AO BLOG DO GOVERNO INTERROMPIDO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!